A jornada é longa, difícil...mas o nascer do sol compensa....

Frase da semana...

Tenho tanto sentimento
Que é freqüente persuadir-me
De que sou sentimental,
Mas reconheço, ao medir-me,
Que tudo isso é pensamento,
Que não senti afinal.
Temos, todos que vivemos,
Uma vida que é vivida
E outra vida que é pensada,
E a única vida que temos
É essa que é dividida
Entre a verdadeira e a errada.
Qual porém é a verdadeira
E qual errada, ninguém
Nos saberá explicar;
E vivemos de maneira
Que a vida que a gente tem
É a que tem que pensar.

Fernando Pessoa




quarta-feira, 10 de março de 2010

Ainda sobre a vida em sociedade...



Olhando para exemplos próximos ocorreu-me que o que realmente falta em sociedade é comprometimento. Estranho? Nem tanto. Vejamos:

O senso comum foge de comprometer-se com qualquer coisa mais do que fugiria do demônio (se ele existisse). Quantas mães jogam seus filhos na escola para serem educados. Não, não em disciplinas científicas. Educados nas primeiras noções básicas de vida. Respeito, solidariedade, empatia, simpatia, enfim, tudo que irá refletir-se numa sociedade mais humanizada.

Mais tarde essas crianças fugirão de comprometer-se com seu próprio futuro. Construirão formas de obterem um "diploma" (é assim que eles pensam) sem terem a menor noção do que estão fazendo no mundo. Até porque comprometer-se em compreender o mundo significa, talvez, revoltar-se. E quem sabe, pois em alguns casos funciona, revoltar-se signifique buscar melhorar as próprias condições de vida (COMPROMETER-SE, NÃÃÃÃÃOOOO!).

Pois é... a vida passa, eu telefono, e você já não... ops... não é isso... a vida passa e compreendemos a necessidade de comprometimento. E comprometemo-nos. Conosco mesmo. Ou alimentamos nossas frustrações, ou alienamo-nos, ou partimos pra luta em busca do tempo perdido (são raros estas últimas forma de encaram o comprometimento).

Não quero aqui passar uma idéia de pessimismo. Todos nós somos imperfeitos e, para aqueles que gostam de um carro caindo aos pedaços mas com um som caríssimo, alto e com música de gosto duvidoso, eu devo estar entre os mais chatos do mundo.

Ocorre que é mais fácil reclamar dos dirigentes do que comprometer-se com mudanças. O prefeito não limpa minha rua durante 3 anos e meio. Nos três meses antes da eleição "ele" passa lá três ou quatro vezes e até pinta o meio-fio (quando esse existe). O prefeito é legal, vou votar nele. E no dia 4 de outubro (ou 16 de novembro, quando tem segundo turno) eu começo a reclamar de novo. Isso me satisfaz. Tenho o que falar com os amigos (ou conhecidos, pois ter amigos significa comprometer-se com eles).

Aí vem o BBB(osta), a "tv que distrai todo mundo com a sua novela", o futebol (muito, mas muito mais importante que programas de governo na área da educação, saúde, segurança, etc.). Todos conhecem o nome dos BBB(ostáveis). Ou quase todos. Mas não sabemos direito nem a quem recorrer quando estamos com um problema na rua. Mas, sabe que isso até é bom. Não tendo o conhecimento para mudarmos o que está errado não precisamos nos comprometer com isso. Estamos "perdoados". Nossa ignorância (de ignorar, desconhecer, etc.) nos absolve.

Na Doutrina Espírita (em outras também), fala-se muito do livre arbítrio. Mas diz-se também da responsabilidade que ele nos impõe. E aí o ciclo se fecha. Não nos comprometamos com nada muito sério. Não tem problema. Mas aceitemos o que nos é imposto. Essa é a responsabilização.

Portanto, quando falarmos mal de algo, pensemos antes qual nosso nível de comprometimento para mudar aquilo. Em outras palavras ou aceitamos ou nos mexemos.

É isso...



Paulo Koschier

"Todo mundo 'pensando' em deixar um planeta melhor para nossos filhos...

Quando é que 'pensarão' em deixar filhos melhores para o nosso planeta?"..::

Um comentário:

Jack Koschier disse...

belo texto, Paulinho!

Postar um comentário